Segunda-feira, 11 de Maio de 2009

 

 

 

 

 

 

A Câmara Municipal de Lisboa quer incrementar o uso da bicicleta na capital e, além de 45 quilómetros de pistas cicláveis, em obra ou em projecto, a autarquia vai criar igualmente 95 parques de estacionamento para os velocípedes. No total serão investidos 5,2 milhões de euros na construção de infra-estruturas destinadas às bicicletas

Não critico, de forma alguma, esta iniciativa, uma vez que considero que esta está recheada de bondade e que pode ajudar, em conjunto com outras medidas, a resolver alguns problemas na capital.

O que critico é a forma como o projecto está a ser implementado, sem estudos ou sem qualquer diálogo com as juntas de freguesia, sendo que estas serão, sem duvida, quem melhor contacto tem com o terreno e quem melhor percepciona as dificuldades, constrangimentos e necessidades das freguesias.

É assim em Alvalade, onde o presidente da Junta considerou o projecto como "uma aberração", na origem deste problema está um troço de uma ciclovia projectada para atravessar a Rua de Entrecampos e a Avenida Frei Miguel Contreiras que deverá atingir os 25 quilómetros de extensão até ao final do ano.

Ora o problema é que para este traçado existir, os moradores terão de abdicar, pela 3ª obra sucessiva, dos seus passeios, neste caso especifico, o passeio não será apenas encurtado, a acreditar no mapa da cml, será mesmo substituído pela ciclovia e a avenida passará a contar apenas com uma faixa de rodagem, numa zona onde o transito já é problemático.

Às palavras do presidente da Junta, circula agora um abaixo assinado para deter o projecto, e com apenas alguns dias de existência, já conta com 1.000 assinaturas, Alvalade tem apenas 9.000 habitantes.

Perante isto, Sá Fernandes diz não ser contra a existência das ciclovias "desde que sejam feitas com espaço suficiente para toda a gente circular" e reconheceu que na Rua de Entrecampos "existe um problema de estacionamento" mas salientou que o caso "ainda está ser estudado" e que ainda não há decisão definitiva sobre o futuro da rua.

O Problema é que as obras já começaram há dois meses!

Temos uma nova via, mas o caminho para lá se chegar é o mesmo, continua a falta de diálogo entre a CML e o poder local. Ideias boas podem surgir de um gabinete, agora para implementar essas ideias urge contactar quem está, efectivamente, na rua junto daqueles a quem essas ideias vão afectar.


Tags: ,

Jorge Franco às 15:21 | link do post | comentar

Contacto
camaradecomuns@sapo.pt
Arquivo
2009:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


pesquisar
 
Siga-nos
Lemos Sempre
Tags

todas as tags

subscrever feeds