Quarta-feira, 8 de Abril de 2009

O director nacional da PSP vai confrontar-se com uma oposição, de peso, para cumprir o "acordo de paz" que fez com o presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML), na sequência das críticas deste ao policiamento da cidade. António Costa queria o reforço da Polícia Municipal com elementos da Divisão de Trânsito da PSP, pretensão que está a ser alvo de negociações com o Governo. Mas os comandantes desta polícia não admitem sequer essa possibilidade

 

Como é possível que alguém que foi ministro da Administração Interna, foi o n.º2 de facto do governo tenha tão pouco tacto para lidar com as forças de segurança.

Julgo que cada vez mais o poder local deve ter uma palavra a dizer nas estratégias de segurança para as cidades, mas nunca deve interferir com a sua operacionalização.

Esta tentativa de reforço dos efectivos em Lisboa, descurando outras zonas da área metropolitana é no mínimo insultuosa.

Bem esteve o comandante operacional da Divisão de Loures da PSP que afirmou como inconcebível a diminuição dos seus efectivos devido a pressões políticas.

Estou certo que os presidentes de câmara de municípios como a Amadora, Loures, Odivelas (todos socialistas) terão uma palavra pública de repúdio a esta tentativa de interferência na segurança dos seus municipes.



Filipe Miranda Ferreira às 08:47 | link do post | comentar

Contacto
camaradecomuns@sapo.pt
Arquivo
2009:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


pesquisar
 
Siga-nos
Lemos Sempre
Tags

todas as tags

subscrever feeds