Quarta-feira, 8 de Abril de 2009

Tendo iniciado o actual mandato com o compromisso de pôr as contas em dia e a casa em ordem, António Costa rapidamente esqueceu essas promessas, desistiu e cedeu à tentação de prometer grandes obras, optando pela propaganda em detrimento da intervenção.

Actualmente a Câmara Municipal de Lisboa está a gastar vários milhões de euros numa campanha de propaganda sobre higiene urbana. Milhões de uma câmara que se dizia quase na falência. Milhões quando ainda há semanas atrás se reivindicava um empréstimo para pagar dívidas. Demonstra-se agora que não eram necessários. Ou seriam, mas talvez para mais campanhas de propaganda.
A campanha de propaganda sobre higiene urbana até poderia ser pertinente. Dir-se-ia até que os problemas de falta de higiene verificados um pouco por toda a cidade na falta de limpeza das ruas, nos graffiti por todo o lado, nos cartazes indevidamente colados nas paredes, nos autocolantes colados em candeeiros, ou no lixo acumulado sistematicamente junto aos ecopontos reclamam uma atitude, mas seguramente muito mais do que mera propaganda.
Verificou-se em Lisboa alguma modificação no sistema de recolha de lixo? A recolha selectiva teve alguma transformação significativa? Os padrões de limpeza das ruas sofreram alteração? Existe algum novo regulamento para o sistema de higiene urbana? Seriam bons pretextos para investir numa campanha de sensibilização dos cidadãos. Novas práticas poderiam convidar os munícipes a comungar desse esforço renovado. Mas não. Só propaganda! Propaganda que assenta num significativo encargo financeiro para o municipio quando poderia ser suportada em patrocínios e apoios com esforço e alguma imaginação.

 

texto publicado no jornal Meia Hora



António Prôa às 21:31 | link do post | comentar

Contacto
camaradecomuns@sapo.pt
Arquivo
2009:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


pesquisar
 
Siga-nos
Lemos Sempre
Tags

todas as tags

subscrever feeds